A Importância Da Amamentação


Nutrição materno-infantil – a importância do controle de peso e aleitamento materno
O controle de peso durante a gestação é essencial para manter a saúde da mãe e do bebê.
Durante a gestação, o cuidado com o peso é muito importante, tanto para as mulheres com sobrepeso quanto para as que possuem baixo peso.
É preciso estar sempre alerta e manter controle sobre a alimentação. O início da gravidez, embora ainda não afete tanto a rotina da mulher, é uma das que mais precisam de atenção, considerando que é a fase mais crítica para abortos e má-formações. Fenômenos do tipo podem acontecer em decorrência de alguma doença ou mesmo de deficiências nutricionais da mãe.
O cuidado com a alimentação é essencial em qualquer momento da vida, mas durante este período é de importância ainda maior. “Alguns nutrientes são fundamentais para a formação do bebê e precisam estar em níveis adequados antes mesmo da fecundação. Ácido fólico, vitamina D, Magnésio, DHA (ácido graxo ômega 3), ferro e iodo são de grande importância.
Um estilo de vida saudável aliado a uma dieta equilibrada são conceitos suficientes para garantir a nutrição necessária para mãe e bebê ao longo destes nove meses.
O leite materno, por ser espécie-específico, ou seja, produzido para o ser humano, confere inúmeras vantagens em relação às fórmulas artificiais. Apresenta características nutricionais ideais, sendo a quantidade e a qualidade de todos os nutrientes compatíveis com a necessidade e a fase dos bebês.
Além de todos os benefícios fisiológicos, o leite materno aumenta o vínculo entre mãe e filho. Todas as mudanças que acontecem após o nascimento são amenizadas com a presença da mãe: o toque, o cheiro, os olhares, a passagem do alimento, a temperatura corporal, as batidas do coração, favorecendo o desenvolvimento emocional da criança.
A amamentação também confere benefícios para a mãe: acelera a recuperação do parto, auxilia no processo de perda de peso, prolonga a anovulação, ou seja, a mãe permanece por mais tempo sem menstruar, reduz o risco de câncer de mama e o risco de doenças cardiovasculares.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o aleitamento aconteça de forma exclusiva até os 6 meses e seja continuado até aproximadamente 2 anos de idade, de acordo com a disponibilidade e vontade da mãe e também do bebê, concomitante com a introdução de novos alimentos aos poucos. É responsabilidade de todas as pessoas que convivem com a nutriz ajudá-la, apoiá-la e, acima de tudo, respeitá-la.